sábado, 24 de dezembro de 2011

Presentes inesquecíveis em uma época especial!

Boa tarde a todos!
Não postei nestes últimos dias porque estava viajando com meu namorado.

Fomos para a capital mundial da diversão e o resultado foi muita risada, muitos momentos inesquecíveis e alegria suficiente para superar qualquer vestígio de sofrimento.

Inclusive passei meu aniversário lá!!! A meia noite estávamos dentro de um balão, nos ares daquele lugar lindo, com vista para a cidade toda iluminada...ai que delicia!

Diz ele que o momento mais especial da viagem, foi quando eu disse, do fundo do meu coração que estava tão, mais tão feliz, que havia esquecido tudo o que passei neste ano.

E era verdade...alguns dias de diversão já foram suficientes para renovar e agora sim, começar o próximo ano recuperada não só da saúde, mas da cabecinha também!!!

Confesso que essa época do ano é a minha favorita! Uma seqüência de aniversário, natal e ano novo! Só comemorações especiais.

Mas junto com a alegria de celebrar, vêm também as saudades das pessoas que eu gostaria que estivessem fazendo parte destes momentos.

As lembranças são inevitáveis e o aperto no peito à meia noite do dia 24, durante a oração feita pela família inteira em volta da mesa da ceia, parece que cada ano vem mais forte.

Este ano a falta foi grande, bem grande!

Mas, pela primeira vez, recebi sinais que jamais esquecerei e que me fizeram ter a certeza de que as pessoas lá de cima também acompanharam essa jornada e comemoraram o resultado vitorioso.

Um dia desses, fui almoçar com os colegas de trabalho e pela primeira vez, começamos a falar sobre sonhos, vidas passadas, crenças e se algum dia iremos encontrar nossos parentes que já se foram.

Naquele momento comecei a sentir uma coisa estranha, uma agonia inexplicável e por alguns instantes fiquei em silêncio. Foi quando peguei o celular para ver se havia alguma ligação e lá estava a explicação para o rumo que nossa conversa havia tomado.

18 de novembro de 2011.

11 anos que minha mãe faleceu.

Nossa...fiquei arrepiada e pedi para sairmos de lá!

Não queria contar para eles para não prolongar o assunto, mas a mudança na minha expressão foi totalmente notável.

Ao chegar no escritório tive atuar como em um teatro e disfarçar a minha vontade de largar tudo e ir embora.

Faltando apenas alguns minutos para meu expediente encerrar, já sem conseguir agüentar mais, fui ao banheiro lavar o rosto e respirar um ar puro pela janela. E foi aí que eu senti a presença DELA!

Difícil transmitir o sentimento que tive naquela hora, mas aí vai!

Ao abrir a porta do banheiro localizado no 8º andar da Av. Paulista, onde todos os dias se ouve apenas as buzinas e sirenes pela única janela da qual tenho acesso, meu coração acelerou e meus olhos encheram de lágrimas.

Não era possível! Como poderia estar acontecendo aquilo? De onde vinha aquela música? Abri a janela e me debrucei tentando localizar a origem do som, mas não havia nenhuma festa, nenhum evento.

Quem estaria ouvindo música naquela altura no meio de infinitos prédios comerciais?

Comecei a chorar e fiquei paralisada até a música acabar e o silêncio tomar conta do meu coração novamente. Acabou? Era só aquela canção?

Fiquei em estava de choque, sem achar nenhuma explicação para o que tinha acabado de acontecer.

Desde o falecimento dela, tem apenas uma música, UMA só que eu não posso ouvir de jeito nenhum sem me debruçar em lágrimas.

Lógico que tem umas e outras que eu lembro, mas essa, essa não dá!

Cada palavra, cada frase se encaixa nos meus sentimentos! Parece até que eu compus para ela....

“Não sei porque você se foi
Quantas saudades eu senti
E de tristezas vou viver
E aquele adeus não pude dar...

Você marcou em minha vida
Viveu, morreu
Na minha história
Chego a ter medo do futuro
E da solidão
Que em minha porta bate...

E eu!
Gostava tanto de você
Gostava tanto de você...

Eu corro, fujo desta sombra
Em sonho vejo este passado
E na parede do meu quarto
Ainda está o seu retrato
Não quero ver pra não lembrar
Pensei até em me mudar
Lugar qualquer que não exista
O pensamento em você...

E eu!
Gostava tanto de você
Gostava tanto de você...”

Pois é...era essa a música que estava vindo de algum lugar em minha direção, no momento em que fui ao banheiro para recuperar as forças!

E novamente, agora na viagem fomos em uma cantina italiana para almoçar no dia do meu aniversário! Ahhh...sou de família italiana dos dois lados e lógico que é minha culinária favorita.

Estávamos lá sentados conversando, esperando pelo nosso pedido, quando começou a tocar uma música italiana que TODAS as vezes que eu entrava no carro do meu avô, ele colocava para eu cantar com ele.

Não é uma música famosa, eu nunca mais tinha ouvido desde que ele se foi.

Era uma música que nós dois adorávamos e tocou na hora que entramos e sentamos no restaurante, no dia do MEU aniversário.

Foi incrível!!!

Novamente meus olhos encheram de lágrimas ao mesmo tempo que um sorriso gigantesco se formou no meu rosto.

Teria um presente melhor?!

Enfim, cada um tem uma interpretação, mas a minha é que eles estão mais “perto” do que nunca e através dessas demonstrações de presença, me disseram: a batalha foi difícil, mas você conseguiu!!! Parabéns!

Este ano a emoção já está tomando conta de mim, mas de uma forma diferente.

Não é apenas a saudades de todos os dias, é também, a certeza de que mesmo não podendo vê-los, pude sentir a presença do meu querido avô que passou pelas mesmas coisas que eu, da forma mais magnífica possível, e da minha mãe que deve ter sofrido junto comigo, mas veio na hora certa, me confortar como com um abraço bem apertado e gratificante pela conquista da vitória.

Acho que o Papai do Céu permitiu que eles me dessem um sinal de presença na minha vida, como um prêmio para quem acabou de pisar na linha de chegada!

Feliz Natal a todas as famílias!!!!

domingo, 27 de novembro de 2011

Provando o inesquecível sabor da vitória!

Bom dia!!!

Durante esse tempo que fiquei sem escrever muitas coisas aconteceram e terei que contar aos poucos...mas já adianto: está tudo simplesmente MAGNÍFICO comigo!

Dia 07 de novembro de 2011 fui à clínica de quimio para mais uma aplicação no porth! Após uma furada daquelas no cateter, não podia imaginar que qualquer coisa seria capaz de mudar o rumo dos meus próximos 03 meses.

Durante uma conversa com meu médico, meu pai que me acompanhou em todas essas segundas feiras doloridas, indagou a ele se não seria possível aumentar a dose das aplicações e reduzir o tempo do tratamento.

E em questão de segundos, minha vida voltou a brilhar como antes e uma emoção que não sentia há tempos tomou conta do meu mundo.

A resposta dele: “Sim!!! Como a Bruna está respondendo tão bem ao tratamento, vamos aumentar a dose do remédio e das aplicações e ela acabará os comprimidos no dia 27 de novembro e após uma semana, faremos somente mais uma aplicação no porth para finalizarmos!”

QUE? COMO ASSIM? VOCÊ ACABOU DE ME DIZER QUE DAQUI ALGUNS DIAS ESTAREI LIVRE DESSES REMÉDIOS, DESSAS INJEÇÕES, DESSE MAL ESTAR? QUE MEU PESADELO ESTÁ PRESTES A ACABAR? QUE IREI PASSAR MEU ANIVERSÁRIO, MEU NATAL E INICIAREI O PRÓXIMO ANO TOTALMENTE CURADA E SEM NENHUM VESTÍGIO DE CÂNCER?

Meu Deus do céu! Aquela sensação permanece em mim até hoje...afinal, HOJE FORAM MEUS ÚLTIMOS COMPRIMIDOS!

Saí de lá com uma alegria...com vontade de abraçar o mundo e começar a pular!

Liguei para todas as pessoas que estavam ansiosas por uma notícia maravilhosa como esta! No trabalho, dividi essa emoção com alguns colegas que não hesitaram em comemorar comigo.

Agora já estou chorando...

É impossível descrever a emoção que estou sentindo agora, que senti naquele dia, que está em meu peito todos esses minutos desde o momento que recebi a notícia. E hoje, a sensação de ter ganhado a guerra, oficialmente, está no sorriso estampado na minha cara.

Um sonho que parecia estar tão longe de ser concretizado...chegou o dia!

Como Deus pode ser tão bom comigo? Obrigada Papai do Céu por ter ME escolhido.

Me ensinado lições de mil vidas, em apenas 11 meses. Me ensinou a dar valor ao que realmente importa nessa vida: minha SAÚDE que cuidarem como se fosse uma peça de porcelana, uma pedra preciosa, meu bem mais valioso!

O resto? Ah....o resto eu conquistarei com a minha FORÇA e com a minha FÉ!

Só tenho a agradecer a todos que estiveram ao meu lado, que se preocuparam comigo, que oraram pela minha vida!

CONSEGUI!

E hoje, sem sombras de dúvidas, sou uma pessoa muito melhor do que eu era até o dia 17 de janeiro de 2011.

A MINHA VIDA É MUITO BONITA, MUITO BONITA E MUITO BONITA!!!

E a sabedoria que adquiri, se reflete em todos os momentos dos meus dias.

Ontem estávamos voltando de um casamento MARAVILHOSO do meu primo que foi na praia, um cenário delicioso transmitindo paz e alegria, e no meio do caminho, fomos parados por um policial na estrada, quase de madrugada.

Apenas para algumas verificações, ficamos lá por alguns minutos aguardando a burocracia de conferência de documentos, e quando fomos liberados, todos no carro estavam indagando e reclamando o porquê fomos submetidos àquele procedimento, se não havia nada de errado.

Ora, sem pensar duas vezes, tentei explicar que naquele momento deveríamos estar muito felizes, pois com certeza, foram nossos anjinhos que criaram uma parada de alguns minutos, para evitar alguma ocorrência indesejada que poderia ocorrer logo a frente.

Entre tantas coisas que aprendi, uma delas que jamais esquecerei, é que o Papai do Céu sempre tem uma razão para todas as intervenções que faz em nossas vidas. Seja ela uma parada indesejada na estrada, um atraso para uma viagem, um farol vermelho, e acreditem se quiser, até mesmo uma doença.

Ao final, sempre somos beneficiados com os acontecimentos da vida, mesmo os que não fazem o menor sentido para nós, meros mortais que sempre desejamos somente as coisas boas da vida.

As coisas aparentemente ruins, podem apenas estar evitando algo muito pior!

Obrigada novamente ao Papai do Céu e aos meus anjinhos que estão sempre me guiando!

Agora só me restam motivos para comemorar, agradecer e ser MUITO, MAS MUUUUUUITO FELIZ!!!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

09 meses: uma vida e muitas pedrinhas distribuídas ao longo do caminho.

17 de outubro de 2011.
 
Até o dia 17 de dezembro de 2010, meus dias “17” eram comemorados, por mim mesma, por ser o dia do meu aniversário!
Mas agora não. Agora quando olho no calendário e vejo essa data penso em outra coisa. A contagem começa no mês de janeiro...01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09!
Nove meses que tive o diagnóstico.
Poxa, perdi até o meu dia...não podia ter sido no dia 16? Ou 18? Não, né?
Hoje voltando do fórum peguei um taxi e devido ao trânsito caótico da nossa cidade, essa voltinha me rendeu um bom papo com o taxista.
Já não é a primeira vez que acabo comentando que passei por uma operação e após alguns minutos de conversa eles acabam perguntando a razão da cirurgia.
Como não estava num dia muito bom, inclusive devido ao motivo que provavelmente seria a pauta da conversa, falei: “Ahhh...eu estava com um probleminha no intestino...aí né...já viu!!!” Tentei não prolongar o assunto. Mas depois de alguns segundos sem obter resposta alguma, me rendi e acabei contando os detalhes.
Para a minha surpresa, ao final da conversa, eu estava mais calma e ele provavelmente estava contando os segundos para chegar na sua casa e dar um longo abraço no seu filho de 20 anos...!
Sempre acreditei, desde pequena, que guardar os meus problemas e minhas angustias não me faria bem e hoje, mais do que nunca, sou a prova de que quando temos um saco, daqueles iguais ao do Papai Noel, só que cheio de pedrinhas (as pedrinhas...) e a missão é carregá-las, a melhor saída é dar uma pedrinha para cada pessoa que se importa e se disponibiliza a fazer parte dessa tarefa.

Lógico que eu não vou sair distribuindo pedrinhas por aí, mas também se me vejo numa situação em que tem alguém querendo dividir esse peso comigo, não hesito em compartilhá-lo.
Já ouvi muitas pessoas dizendo que não contam seus problemas, pois acreditam que não há solução para aquilo e então, para que contar?
Muitas vezes me aconselharam a não dizer a verdade sobre certo assunto, sim, sobre um determinado assunto, e como eu era pequena, não tinha certeza se eu estava certa ou se as pessoas que gostavam de mim falavam aquilo para o meu bem.
A verdade é que sem guardar, eu já sofro além do normal. Agora eu paro e penso: E se eu tivesse regado aquela sementinha que tentaram plantar em mim?
Com certeza eu não estaria tão bem como eu estou, não teria encarado e superado da forma tão incrível que fiz.

Conto sim! Conto para a manicure, conto para o taxista, conto para quem quiser ouvir, quem quiser carregar uma pedrinha. Conto para vocês!!! E é por isso que o título da matéria sobre o blog que saiu na revista GLOSS (ao lado) retrata exatamente o que eu sinto em relação a toda a força que encontrei aqui: ESCREVER PARA SUPERAR!
Contar para superar, orar para superar, rir para superar, e por que não, gritar para superar!

Penso que essas pedrinhas, para mim são pesadas e difíceis de carregar, mas no momento momento que eu entrego a alguém, entrego uma pedrinha preciosa, colorida e brilhante que ao mesmo tempo em que me alivia, serve de reflexão e para quem a recebe.

Portanto, obrigada a todas as centenas de pessoas que carregaram uma pedrinha minha!
Elas são preciosas e em algum momento de suas vidas, brilharão trazendo a esperança.***

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Quando o Papai do Céu chama.

Estou em estado de choque.
Acabamos de perder uma pessoa incrível, S. J.
Lógico que ele não foi o primeiro e nem será o último, mas a notícia me abalou. Esses dias vi a foto dele em alguma revista, aquela foto que ele está de bermuda e camiseta preta.
Magro, magro, magro. Com cara de quem não está mais conseguindo vencer a doença.
Aquilo acabou comigo.
Para falar a verdade ontem eu estava conversando com o meu namorado no telefone, antes de dormir e contei que eu estava muito feliz como há muito tempo não ficava. E então, me emocionei e comecei a chorar.
Um rápido filme passou na minha cabeça: o médico dando a notícia da doença, os milhares de exames, as injeções na barriga, a retirada e as complicações dos óvulos, o porth-oh-cath, radio, quimio, cirurgia, bolsinha, cirurgia de novo,.....AAAAAAHHHH!!!!
Quanta coisa.
Se eu soubesse que teria que passar por tudo isso, acho que teria desistido no dia 17 de janeiro de 2011.
Ontem eu estava com medo. Medo da minha felicidade.
Depois de tanta coisa ruim, difícil, sofrida, será que eu serei feliz novamente? Digo, realmente feliz? Sem dor? Sem medos? Sem traumas?
Pelo menos receio de ser feliz eu sei que eu tenho.
Chego em casa hoje e vejo a notícia mais comentada, a morte de S. J. após tantos anos lutando contra a “doença maldita”.
Não importa a cor, raça, sexo, religião, nacionalidade, situação financeira. Quando o Papai do Céu chama, vai ele, vou eu, vai você,...pode ser rico, famoso, inteligente ou o que quer que seja.

Saber que a maioria, luta, luta, luta e acaba se rendendo...é inevitável o que eu estou sentindo agora.
Agora que a tempestade acalmou e eu estou só “no aguardo”, comecei a indagar o meu futuro.
Será que serei uma daquelas pessoas que teve a tal doença quando jovem, sofreu, mas ficou curada para sempre?
Ou será que eu vim aqui para vencer muitos obstáculos e, com isso, deixar alguns ensinamentos para os que ficarão?
Sei lá...ultimamente tenho acreditado mais na segunda hipótese.
Enquanto eu espero o final dessa história, agradeço a Deus todos os dias quando eu acordo pela minha vida linda e minha saúde! E quando vou dormir, peço para acordar no próximo dia com mais saúde do que tive aquele dia que acabou e sempre conto para Ele que eu amo muito viver e se Ele me deixar, irei aproveitar da melhor forma esse presente que recebi.
Ahhh....e nunca deixo de lembrá-lo do meu maior sonho: ter muitos filhotes lindos e amados!
Só que hoje, não irei rezar apenas para mim...

domingo, 2 de outubro de 2011

Uma espera demorada e sofrida.

Boa noite!
Domingo passado eu fiquei horas escrevendo e, após reler pela última vez o meu texto, não tive coragem de clicar no botão “POSTAR”.
Estava muito chateada e quase determinada a abandonar a quimioterapia, mas como as coisas passam, e para mim além de passarem eu acabo esquecendo, não me lembro o porquê da minha breve revolta.
 Acredito que o fato de no dia seguinte ser o tão temido dia da aplicação meus sentimentos estavam à flor da pele, além da minha impaciência em relação ao tratamento.
E assim aconteceu. Na segunda-feira fui à clínica e não vou negar: doeu menos do que da última vez, mas os efeitos não mudaram...acabei indo para a casa da minha avó depois e fiquei lá com enjôo, tontura e muita fraqueza.
Tudo isso já era esperado, porém surgiu um novo sintoma.
Naquele domingo eu fui almoçar com o meu namorado em um restaurante japonês!  Fazia MUITO tempo que eu não me acabava de comer no rodízio: sushi, sashimi, guioza, shimeji, e tudo mais o que eu tinha direito.
Quando estávamos indo para o carro eu comecei a sentir pontadas exatamente na região da cicatriz (onde ficava a colostomia – bolsinha). Não dei muita importância e continuei andando, até que no meio da faixa de pedestres, parei. Não conseguia dar nem mais um passo.
Ele me ajudou a terminar o percurso e foi buscar o carro.
Era uma pontada tão forte que eu não conseguia me mover.
Entrei no carro, sentei, encolhi as pernas e logo passou. Foi tudo muito rápido, porém muito intenso, mas não quis ligar para o médico, pois imaginei que ele fosse me mandar ir até o consultório e não devia ser nada preocupante.
No dia seguinte, o dia “tão temido”, quando os efeitos ruins da quimio estavam amenizando, eu senti a mesma dor, só que dessa vez eu estava sentada e as pontadas vieram e foram embora após uns 05 minutos.
Naquele momento não pude ignorar o que eu estava sentindo. Liguei para o médico na hora e ele me pediu para ir até lá no dia seguinte no primeiro horário e nós fomos, eu e meu pai.
Como eu já havia previsto, ele me examinou e pediu um ultrassom da região abdominal, isso por que eu tenho que evitar exames como ressonância e tomografia, devido à grande quantidade de radiação que fui submetida ao longo desse ano.
E que ano, não é? Dou risada quando lembro que durante o ano de 2010, reclamei inúmeras vezes de diversos acontecimentos e sempre dizia: Ainda bem que ano que vem será ano ímpar!!! Não gosto de ano par... anos ímpares são sensacionais!!!
HA HA HA!!! Que ótima piada.
Confesso que passei a metade desse ano reclamando, até que o meu pai me fez enxergar tudo de outra forma. Me disse que 2011 foi o melhor ano da minha vida. Por que???
Porque eu diagnostiquei uma doença horrível e após muita luta, venci a guerra e hoje estou 100% curada. Ele disse que o ano da doença foi 2010 e esse ano, 2011, foi o ano da cura.
Depois disso eu passei a acreditar que 2011 foi o ano da minha GRANDE CONQUISTA: A MINHA MARAVILHOSA VIDA!!!
Agora sem preconceitos. Gosto de todos os anos e independente dos probleminhas, o importante é ter SAÚDE!
Voltando ao exame, consegui agendar somente para o dia 10 de outubro, segunda-feira que vem. Ou seja, o próximo final de semana será um “daqueles” com muita ansiedade: quimio + exame!!!
Mas eu estou tranqüila! Apesar de ter sentindo essa dor algumas outras vezes no decorrer desta semana, acredito que não seja nada além do meu intestino se adaptando às novas dimensões.
Mesmo com esse incômodo, passei muito melhor essa semana do que às outras por um motivo simples e óbvio: a cada duas semanas de remédio (quimioterapia em comprimidos) descanso uma! Ou seja, passei essa semana sem remédios e notei que meu corpo não está tão ruim quanto parece...são os comprimidos que deixam ele assim.
A trégua foi boa só que amanhã volto à rotina do remédio, mas dessa vez, acreditando que cada um que eu ingiro, estará entrando no meu organismo para destruir as possíveis células “do mal” que podem ter insistido em habitar o meu lindo corpinho.....Rs!!!
Após a minha descrença do domingo passado, eu decidi que se vou fazer esse tratamento chato por 06 meses, irei fazê-lo com FÉ e acreditando no resultado positivo que esse sacrifício irá me trazer. Sim, sacrifício!
O fato é que eu conto quase tudo aqui, só que muitas das minhas dores, das minhas aflições, meus medos e meus receios, eu guardo para mim. Até as pessoas que acham que sabem o que se passa comigo, sinto lhes informar: Vocês não sabem nem 10% dos meus reais sentimentos.
E a verdade é que eu estou casada!!! Imaginem uma batalha onde você luta com todas as suas forças até o final, quando você vence, e quando já está totalmente exausto, te dizem que terá que permanecer no campo de batalha pelo dobro do tempo que você já está lá.
É essa a minha sensação. Ganhei a batalha mas estou lá, esperando algum adversário voltar para combatê-lo.
Muito difícil. Mas é melhor esperar mais um pouco do que começar do zero novamente. Certo?

domingo, 18 de setembro de 2011

Um começo de sucesso!!!

Bom dia!!!
Primeiro tenho que agradecer, mais do que nunca, as mensagens de FORÇA que recebi essa semana!!! Foi por isso que deu tudo certo.
Realmente no domingo passado eu não consegui dormir...estava muito ansiosa.
Acordamos e fomos para a clínica de quimioterapia, eu e meu pai. Chegando lá, fomos levados a tal da salinha...aí, só de entrar lá já me arrepio.
Deitei na maca e o médico chegou! Blá blá blá...e eu só conseguia olhar para a agulha na mão dele. Mesmo após tantas picadas, ou melhor, furadas (pela dimensão da agulha é um furo mesmo) no porth-oh-cath, ainda não me acostumei, nem vou.
Enfim, após algumas explicações que só o meu pai prestou atenção, veio a tortura: Bruna, respira fundo e segura. Um, dois, três...ESPERA!!! Rs...eu sempre faço isso! Ele já falou que é quase um ritual, eu espero ele vir com a agulha e ponho a mão na frente.
Novamente então...respira, segura, um, dois, três...AAAAAAAAAAAAAAAAIIIIIIIIIIIIIIIIIIII.
Um minuto sem respirar, imóvel, de olhos fechados e espremidos...o minuto mais longo da minha vida. Aquele líquido entrando no meu peito, queimando minha veia até o pescoço e descendo para o meu coração.
Coração calejado e cansado...que está pedindo só uma coisa: TRÉGUA. Na verdade já está suplicando.
Para tirar a agulha outra dor. Dor por dor, tava doendo tudo, até a alma.
Dessa vez não deu para conter as lágrimas. Chorei de soluçar.
Juro que sempre doeu, mas dessa vez...feriu.
Não sei por que, às vezes é o jeito que a agulha entra, mas foi uma dor absurda que persistiu por mais de 03 dias.
Meu pai levantou e veio até mim. Segurou a minha mão e pedia para eu me acalmar, mas como ele sabe que eu não faço mais drama a toa, sabia que estava doendo mesmo.
Após alguns minutos, quando comecei a me acalmar, o médico veio com outra injeção em minha direção e eu perguntei o que era aquilo, aí ele disse que era o soro para limpar o porth!
Haaaaaaaaaaaa! Tá pensando o que? Meia volta, volver! Rsrsrs....não deixei ele me furar de novo, mas nem que eu tivesse que sair correndo de lá, ele não ia furar. HUM! Tá pensando que eu sou de plástico?
Então começaram as explicações de como será a quimio.
A cada 15 dias, uma segunda sim, uma não, irei à clínica levar essa agradabilíssima furada no porth para receber o remédio na forma líquida e em casa terei que tomar os comprimidos, é uma quimio de via oral. Menos mal, né?
Funciona assim: todos os dias tenho que tomar 05 comprimidos, sendo 02 na parte da manhã e 03 a noite. Antes de tomar tenho que me alimentar o que não tem nenhum problema....rs! e esperar 30 minutos para ingerir o remédio.
Tenho que tomar com água, não pode ser suco, leite, refrigerante, cerveja,....hahaha brincadeira! Também não posso beber bebidas alcoólicas até o final do tratamento.
Aí perguntamos sobre os efeitos colaterais e ele disse que achava melhor não falar, pois eu poderia começar a achar que estava sentindo alguma coisa, achei sensato!
Em seguida, me deu a caixa/baú do remédio, com a quantidade certa para 02 semanas. Dr., cadê a bula? Ele achou melhor só o meu pai ler na internet para eu não ficar impressionada! Agora sim, tranqüilidade TOTAL!
Saímos de lá e meu pai me deixou no trabalho. Não estava me sentindo bem, com tontura e mal estar.
Ao chegar no trabalho, liguei o computador e escrevi no Sr. GOOGLE: XELODA.
Nossa! Era melhor mesmo que eu não tivesse lido a bula...
Mas eu não sou ignorante e sei que eles são obrigados a escreverem sobre todos os sintomas que todos pacientes tiveram ao longo do tratamento, mas confesso que fiquei um pouco impressionada sim.
Bom, aquela noite eu não consegui ir para a faculdade, estava meio mal e seria a primeira noite do remédio. Fui para a casa do meu amado e lá já jantamos, demos risadas e eu, com muito receio, tomei os 03 primeiros comprimidos de uma longa jornada de 06 meses.
Para falar a verdade ficamos na espera de alguma coisa, um enjôo, tontura, calafrio, qualquer coisa, mas não tive nada!
Após algumas horas, acabamos dormindo. Mas o que parecia fácil demais, logo começou a dar sinais de incômodo.
Acordei no meio da noite com uma dor de estômago, mas uma dor...não dá para explicar!
Já tive gastrite e não chega aos pés do que senti aquela noite.
Queimava, dava pontada, agulhada, faltava o ar. Tomei um copo de leite, me encolhi, comi um pão, fui para o sofá e passei o resto da noite lá, acordada me contorcendo de dor.
Ao amanhecer, liguei para o médico decidida a não tomar mais aquela bomba que tinha explodido o meu estomaguinho. Até parece, né? Ele me passou um protetor gástrico para tomar ao acordar, antes da ingestão dos comprimidos.
Passamos na farmácia, comprei e tomei o remédio, mas estava morrendo de medo de tomar a quimio novamente. Enrolei, até que não tive escapatória, tomei.
E a verdade é que desde lá, não tenho tido dores nem qualquer outro efeito.
Para ser sincera, na sexta-feira à noite tive a mesma crise de dor, pois tomei o remédio de estômago vazio e NUNCA mais farei isso.
De resto, só sinto uma leve tontura e um relaxamento de mais ou menos, 01 hora após tomar os remédios...parece que dou um shot de tequila e saravá!
Mas dos males, o menor!!!
Se continuar assim, será tranquilo!!! Tudo isso graças às correntes de força que tenho recebido e das orações...Santa Rita sempre comigo!
Esse domingo será diferente! O sol já está raiando na minha janela e meu coraçãozinho está tranquilo...amanhã será uma segunda como outra qualquer...acordar cedo e começar a semana, agora é a melhor coisa que pode acontecer!!!

domingo, 11 de setembro de 2011

Acordando novamente de um sonho breve!

Boa noite!!!
Voltei com uma notícia muito legal: Saiu na edição de setembro da revista GLOSS da editora ABRIL uma matéria sobre mulheres jovens que descobrem que estão com câncer e suas trajetórias.
Quando a matéria já estava editada e fotografada, eu tive a oportunidade de conhecer o pessoal da revista e contar um pouco da minha história, que foi acrescentada na matéria...fiquei muito feliz!!!
Em breve iniciaremos uma parceria com a revista para divulgar o Blog, já que a intenção é que o maior número de pessoas leiam o que eu tenho para dizer...muitas coisas!!!
Obrigada pela oportunidade e espero mais do que nunca mostrar que a VIDA vale à pena, mesmo com as pedrinhas no meio do caminho.
Falando nisso, preciso dizer o quanto eu estou feliz!!! Muito feliz J
Já estou comendo de tudo, e quando eu falo tudo, é tudo mesmo! Confesso que atropelei um pouco as coisas, mas a fome estava tomando conta de mim...rs! Que exagero!
Na última segunda-feira estive no médico e agora, oficialmente, estou autorizada a me acabar na comilança! Que regime o que!
Além disso, essa semana recuperei mais uma coisa! Voltei a fazer algo que sentia muita falta, uma “tradição” que trago desde pequenininha: dar três pulinhos após o banho antes de me enrolar na toalha!
Pode parecer irrelevante, mas para uma menina/mulher cheia de manias como eu, o fato de ter um pedaçinho do intestino para fora, não me deixava segura para sair pulando por ai. E agora, com tudo de volta no seu devido lugar, posso pular e rolar sem parar! Até isso passou a ter uma importância na minha vida...um significado, pois cada vez que eu faço, começo a rir e fico emocionada.
Esses dias estava pensando...passamos a vida buscando realizações, conquistas para encontrarmos a felicidade! Uma roupa, um jantar, uma viagem, um emprego novo, uma festa, um carro,...ou até mesmo pessoas...um namorado, um amigo! Enfim, vivemos sempre em busca de algo que nos faça feliz, do mais simples ao mais esplendido.
Após ter e CURAR a minha doença passei a ter somente uma ambição: VIVER!!!
Passei a achar graça nas coisas mais simples da vida e valorizar cada momento, cada pessoa. Cada dia que eu acordo, agradeço por mais uma oportunidade de VIVER e ser FELIZ e aprendi que cada oportunidade dessa não tem preço e não tem volta.
Estou vivendo a minha vida como deveria estar: tendo a certeza de que é o presente mais precioso que Deus me deu!!!
Tudo esta indo muito bem, cada dia me sinto mais feliz como nunca fui. Mas a jornada ainda não acabou, aliás, apesar do pior já ter acabado, a estrada é muito longa e cansativa.
Amanhã, dia 12 de setembro de 2011, após todos os desafios que enfrentei e VENCI, começarei uma etapa difícil. A quimioterapia pós-operatória!
Houve muita discussão entre os médicos para decidirem se era necessário ou não. Mesmo sem a doença esse tratamento é feito para eliminar qualquer possibilidade de metástase, só que dessa vez, me disseram que os efeitos colaterais serão mais intensos, e o pior de tudo: ao invés de 5 semanas como da primeira, serão 24! 06 meses de quimio, uma semana sim, uma não!
Se tudo der certo, durará até o carnaval! E que carnaval...já estou contando os dias.
Por um tempo, deixei a doença de lado e aproveitei todos os privilégios de estar curada, mas essa noite voltei ao início de tudo. Meus domingos torturantes, em que a única coisa que vem na cabeça é o medo do sol raiar, a agulha gigantesca furando meu peito, aquela dor que dói na alma e aqueles 2 minutos praticamente sem respirar até a retirada da agulha.
Estou em pânico e não consigo mais conter as lágrimas.
Falaram que a droga que será utilizada dessa vez é muito mais forte e causa outros sintomas e intensifica os já conhecidos por mim. Tudo bem, o cabelo continuará na cabeça, mas a cabeça não consegue parar de pensar, ir e vir, dar voltas e cambalhotas.
Socorro!!! Quero uma trégua!!!
Lógico que só começando para saber, mas tudo de novo? Enjôo, mal estar, fraqueza,...somente a falta de apetite não consegue me atingir! Nada tira a minha fome!
Estava indo muito bem e agora sinto que após um pico de alegria e de “vida quase normal”, tive que acordar e levar uns tapas na cara: Eiiii!!! Tá pensando o quê? Acha que acabou? Ha ha ha ...está longe de acabar mocinha!!! Tira esse sorriso do rosto e esquece essa euforia toda, você está doente. D-O-E-N-T-E!
Infelizmente é essa a sensação.
Sei que terei forças e além do mais, dessa vez será um tratamento preventivo e não curativo como da outra. Será difícil, mas será mais fácil por que não tenho mais o câncer. Será?
Não me restam muitas opções além de ficar a noite inteira pensando e rolando na cama. Bom, pelo menos agora eu posso rolar a vontade.
Acho que hoje eu cavo um buraco no meu colchão!

domingo, 28 de agosto de 2011

Promessa cumprida!

Passei aqui para dizer apenas uma coisa >>> acabei de cumprir a minha promessa!!!
Rolei no tapete! E ainda tive parceiros: meu pai e meu irmão!
Obrigada por fazerem parte desse momento de vitória e liberdade J

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Enfim, um cocô de verdade!


Nossa que saudades de escrever aqui!

Acho que minha euforia está tão grande, que desde que saí do hospital não quero parar nem um minuto para pensar! Outro dia me perguntaram se eu acho que posso abraçar o mundo com os meus braços. Ué, eu posso sim!

Tudo o que eu quero, eu posso! Voltei com “a bola toda” e agora, ninguém me segura! Rs!

Semana passada fiquei em casa me recuperando da cirurgia, à base de sopinhas, sucos, gelatina, novelas, filmes, internet, livros, cabeleireiro e até uma voltinha no shopping.

[Fui ao cabeleireiro cortar e clarear o cabelo, aí na hora que a cabeleireira tirou o plástico que estava cobrindo a tinta, saiu fumaça e ela começou a gritar: MEU DEUS, ISSO NUNCA ACONTECEU! EU NÃO ACREDITO...EM TANTOS ANOS NUUUUNCA ACONTECEU ISSO! E eu, mantendo a calma, disse para ela: Aaaaa, fica tranqüila! Essas coisas só acontecem comigo! Hahaha acho que ela não entendeu nada....até lá eu tenho que ouvir isso!?]

Mais uma vez eu comprovei o quanto sou forte! Meu pai sempre diz que o Papai do Céu fez o projeto e jogou fora. Ninguém nunca conseguirá fazer algo tão perfeito quanto Ele fez...NÓS! Eu, você, eles...todos nós!

Em tão pouco tempo eu consegui me recuperar e, acreditem, não tomei remédio para dor NENHUM dia desde cheguei em casa. O medico prescreveu lisador a cada 8hras, e eu não precisei tomar nenhuma vez! Incrível!

Além de o nosso corpo ser uma máquina perfeita, acho que a força de vontade também influencia muito em qualquer processo de recuperação. Por isso que eu vou abraçar o mundo!!! Se eu quero e minha cabeça acredita que eu irei conseguir, então EU VOU!

Se na época da quimio e radio eu tivesse saído do estagio e trancado a faculdade, como muitas pessoas que se preocupam comigo queriam, acho que eu teria pirado!

Por exemplo, sexta-feira passada, há uma semana, eu ainda estava “de molho” em casa e não agüentava mais tomar sopa! Então liguei para o médico e perguntei se eu poderia comer um purezinho, mas ele não deixou. 

Quando me perguntou como eu estava e comecei a contar que não sentia dores e estava indo ao banheiro normalmente, ele não acreditou.

Aliás, sobre isso, me falaram que demoraria pelos menos uns 03 meses para normalizar, mas em 02 semanas, está tudo quase 100%! E posso dizer uma coisa!? Nunca imaginei que fazer cocô poderia me deixar tão feliz!!!!

Hahahahaha acho que pouquíssimas pessoas escreveriam isso em um blog, mas como muitos vêem acompanhando a minha história, me sinto na obrigação de contar todas as minhas vitórias, e essa, é a maior delas! Afinal, uma necessidade tão importante era um problema na minha vida há mais de um ano, e tudo o que passei, foi para sentar um dia na privada e ter o prazer de fazer um cocozinho bonitinho, sem dor, sem sangue, sem bolsinha...sem tumor! E como sempre, com muito senso de humor.

E eu vim aqui para dizer que...EU CONSEGUI!!!

Bom, como tudo está indo muito bem, segunda-feira passei por uma consulta médica e fui autorizada a começar a comer comidinhas! Tudo no “inho” para mim: macarrãozinho, arrozinho, purezinho, escondidinho, franguinho, ovinho mexidinho, peixinho, frutinhas, pudinzinho,....rs!

Mas como a minha fome não está nem um pouquinho pequenininha, nesse meio tempo já comi bolinho de bacalhau, tapioca, pastel, pamonha, e outras coisas que não terminam com “inho”!!!

Voltei no mesmo dia para a faculdade...estava com saudades!!! Nada como colocar a cabeça para pensar. Infelizmente, eu queria ter voltado para o trabalho na quarta-feira, mas terça não passei muito bem, acho que por causa das comidiiiinhas, então tive que adiar para a próxima semana. Ainda preciso aprender o que eu posso e o que eu não posso comer.

E como todos disseram melhor voltar 100%, do que ir e passar mal! Então aquietei o bumbum na cadeira e me dediquei aos estudos.

Hoje vou viajar com a melhor companhia do mundo, meu amado namorado, para um dos meus destinos favoritos! A última vez que estive lá foi com a bolsinha, mas dessa vez, irei sem doença, sem bolsinha, sem tristeza, sem nada de ruim e com tudo de bom!!!

Voltaremos no domingo cedinho, pois tenho um compromisso agendado!

O meu maior desejo que ainda não pude realizar por cuidado à minha cicatriz. Todos aqui já sabem o que é!
Rolar no tapete da sala!!!

Vou descansar no final de semana, recuperar as energias, rolar no tapete e segunda-feira, 29 de agosto de 2011, começarei uma nova etapa da minha vida.

VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ...!!!

domingo, 14 de agosto de 2011

Finalmente, a linha de chegada!!!

Não sei por onde começar!
Eu disse que escreveria do hospital, mas com aquelas agulhas no braço direito, o esquerdo não agüentaria tanto trabalho...rs! Tenho muita coisa para falar e estou tão eufórica que seguirei o caminho lógico: começarei do começo!
Terça feira, 09 de agosto de 2011. Acordei, coloquei as últimas coisas na mala, fechei o computador e fomos para o hospital, eu, meu pai e a mulher dele.
Chegando lá, após a burocracia necessária para a internação, fomos para o quarto. Era no mesmo corredor da cirurgia anterior, ou seja, as enfermeiras já me conheciam e sabiam do meu caso. Se não fosse essa situação, poderia até dizer que “estava me sentindo em casa”.
Arrumamos as coisas, conversamos com o anestesista e enfermeiros. Não tinha muito que falar, eu já sabia do procedimento e queria resolver aquilo o mais rápido possível.
Pouco antes da hora H, chegaram no quarto o meu namorado e a minha sogra! Como sempre demonstrando o carinho e preocupação que têm comigo. Logo após já tive que colocar o avental, a touca e deitar na cama.
Achei que não faria, mas acabei fazendo um pouco de drama na hora da injeção no bumbum. Será que alguém nesse mundo já se acostumou com isso!? Afff...doeu.
Todos se despediram de mim e sem conseguir conter as lágrimas, fui levada até a sala de cirurgia. Lá só me lembro de uma coisa: o anestesista furando 3 vezes o meu braço para pegar uma veia, dá para acreditar!? Já estava com um pré-anestésico, não conseguia nem me movimentar e ele não pegou de primeira. Será um carma!? Ai ai ai....sai pra lá!
Tenho quase certeza que reclamei e escorri mais lágrimas...isso sempre acontece! Falam que quando estamos sob o efeito da anestesia falamos coisas inusitadas. Quer saber!? Tomara que eu tenha desabafado minha raiva sobre esse assunto.
Durou apenas 2 horas!
Acordei na sala de recuperação e dessa vez, não tinha nenhuma dúvida, não tinha o que questionar! A bolsinha não estava mais lá J Era só barriguinha, lisinha, lisinha, lisinha!!!
Mas antes de qualquer emoção, veio a dor, e que dor. Comecei a gritar e eles me deram um remédio que eu apaguei. Mesmo depois de chegar no quarto, não lembro de quase nada por causa do efeito dos medicamentos.
No dia seguinte acordei ainda indisposta e passei praticamente o dia inteiro deitada recebendo visitas.
Na quinta-feira, acordei muito melhor!!! Com uma fome de leão e sem dor. Já conseguia tomar banho sozinha e estava me recuperando com uma velocidade incrível! Andei bastante pelos corredores do hospital, comi gelatina e tomei o tal do “caldo ralo”, ou seja, a fome só aumentou.
Naquela noite não consegui dormir. Estava me sentindo bem melhor, passei o dia inteiro sem nenhum remédio, sem dor, sem enjôo e só queria ir para a minha casa.
Fiquei deitada na cama, com o braço direito imóvel por causa da agulha que estava ligada somente no soro, virando de um lado para o outro sem parar. Acho que se eu ficasse mais algumas horas lá, teria cavado um buraco no colchão.
Me mexi tanto que meu pai acabou acordando e ao ver meu desespero e impaciência, desistiu de dormir e acabou ligando a televisão.
Quando o sol finalmente nasceu e as enfermeiras voltaram a abrir e fecha a porta sem parar eu resolvi levantar. Conversamos um pouco e fui tomar banho para passar o tempo.
Era dia 12 de agosto, aniversário do meu namorado! Ele como todos os dias em que fiquei no hospital, passaria na hora do almoço para me visitar. Sabendo disso, com a ajuda do meu pai, tratei logo de providenciar um bolo e uma velinha para cantarmos parabéns!
Tudo planejado quando de repente a porta abriu e era ele, o meu médico! Estranhei a hora da visita, pois outro da equipe já havia passado anteriormente, mas ele foi para levar boas notícias!
Me fez algumas perguntas, recomendou que eu andasse bastante e não ingerisse qualquer coisa que não fosse líquido e quando já estava de saída, eu o indaguei: Dr., o Sr. tem alguma previsão de saída para mim!?
E lá estava a melhor notícia que eu poderia receber: Sim, Bruna, agora! Estou indo fazer a sua alta!
O QUEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!?
Em questão de milésimos de segundos ganhei um sorriso daqueles “de testa a testa”! Olhei para o meu pai e ele não estava diferente. Que alegria!!!
A previsão era no mínimo de mais um dia no hospital, mas devido a minha boa e rápida recuperação, não havia mais motivos para permanecer lá.
Rapidamente arrumamos as nossas coisas e sentamos! Um olhou para a cara do outro com ar de alívio, missão cumprida.
Como esse procedimento costuma demorar, resolvi caminhar pelos corredores para liberar a adrenalina e acabei liberando a emoção.
Não conseguia acreditar que tudo tinha chegado ao fim. Sei que ainda tenho 6 meses de quimioterapia, mas será apenas uma gota comparado a enchente que estava acabando. Não, não. Não estava acabando, acabou. A-C-A-B-O-U!!!
Dessa vez eu ia embora para não voltar. Não tem outra cirurgia, outra anestesia, outra internação, outras noites sem dormir. Não precisarei mais voltar naquele hospital onde quase todos já me conheciam.
Estava indo embora para me recuperar e ser FELIZ! Sem limites, sem privações! Não era a mesma felicidade da primeira vez, que eu saí sem o tumor, mas com a bolsinha.
Dessa vez, eu estava saindo sem NADA! Aliás, COM TUDO!!!
Com toda a alegria do mundo, com toda a vontade de viver, com toda a SAÚDE QUE EU SEMPRE TIVE!!! Sem doença, sem bolsinha, SEM NADA DE RUIM E COM TUDO DE BOM!
EU E A MINHA SAÚDE! EU E A MINHA VIDA! EU E TODA A FELICIDADE DO MUNDO QUE ESTAVA DENTRO DE MIM E PARECIA QUE IA EXPLODIR SE ENCONTRASSE UMA FAÍSCA!
PRECISAVA GRITAAAAAAR, MAS NÃO PODIA! Então desabei a chorar...lágrimas de felicidade!
Quanta emoção, não estava acreditando!
Despedi-me dos enfermeiros incríveis que me ajudaram tanto naqueles dias internada e saí do hospital rumo à minha casa que parecia mais aconchegante do que nunca!!!
Logo que cheguei subi para o meu quarto larguei as minhas coisas, fechei a porta e tive um dos momentos mais especiais da minha vida.
Ajoelhei-me em frente ao meu criado mudo, onde ficam todos meus amuletos: santinhos, vela, anjinhos, terços, imagens, e tudo o que tenho direito, e comecei a agradecer. Agradeci e somente agradeci. Após tantos pedidos, agora era hora de agradecer.
 Chorei muito. Chorei tudo o que eu queria chorar e levantei de lá com no mínimo uns 100 kgs a menos nas costas!!!
Tomei um banho, quer dizer, o meu primeiro banho em casa sem a bolsinha! Era tudo o que eu mais queria fazer, já que ainda não posso rolar no tapete...rs!
Chorei novamente! Meu Deus, que emoção!!! Só quem já teve, sabe o que é um banho com a ostomia.
Troquei-me e fui andar na rua! Fui até uma praçinha próxima da minha casa para encerrar com chave de ouro o MEU momento mais especial da vida!
Estava um dia maravilhoso, o sol radiante sem nenhuma nuvem no céu! Assim como eu, radiante de emoção e alegria sem nada para atrapalhar.
Advinhem o que eu fiz!? Chorei! Chorei e orei.
Não dá para explicar, é muita emoção!
Sempre ouvimos depoimentos de pessoas que passaram por situações de risco ficarando "à beira da morte" e por um milagre acabaram resistindo, dizerem que nasceram de novo e que é uma sensação inesquecível.
Posso estar errada, mas eles passam por instantes de agonia e desespero, acreditam por alguns minutos que não resistirão.
O que eu passei foi completamente diferente.
Foram 8 meses de aflição. Perguntaram-me uma vez, se em algum momento passou pela minha cabeça a possibilidade de não sobreviver e a minha resposta foi imediata: NÃO! Desde o dia que eu vi aquelas fotos da colonoscopia e recebi a noticia que estava com um câncer maligno, eu nunca, NUNCA, duvidei da minha cura. Nunca duvidei da minha VIDA!
É lógico que mesmo tendo a certeza absoluta de que no final tudo daria certo, eu convivi essas 30 semanas com o sorriso no rosto, mas uma tristeza interna. Por mais que por fora parecesse estar tudo tranqüilo, por dentro estava nublado, aguardando uma nova tempestade.
Posso dizer que eu renasci!
Não dizem que quando a vida nos dá um limão, devemos fazer uma limonada!? Eu fiz melhor! Fiz uma caipirinha beeeem gelada e tomei à beira do mar com a água mais cristalina, dando muita risada!!!
Aprendi muito! Não há livros de auto-ajuda, bibliografias, filmes, sessões de terapia, grupos de ajuda, viagens, ou qualquer outra fonte de renovação que chegue aos pés do que eu pude ter.
Mas vocês devem estar pensando: Nossa, tudo bem que ela aprendeu muito, mas pensar que o câncer foi uma coisa boa, já é um pouco de exagero!
Aí eu respondo: Não é não!!! São com os erros que nós aprendemos, com as perdas que damos valor e eu tive, com apenas 20 anos, a maior lição que uma pessoa pode ter.
Geralmente isso acontece aos 60, 70, 80, 90 anos quando ainda temos muito o que viver mas talvez não seja o suficiente para reparar alguns danos. Voltar atrás e mudar, é impossível.
Eu tive com 20 para poder mudar daqui para frente! E seria uma idiota se achasse que Deus me deu um castigo.
Ele me ama tanto que me deu um problema, me ajudou a enfrentá-lo, me curou e no dia 12 de agosto de 2011, me apresentou ao mundo novamente. Um mundo onde todas as coisas têm importância, a natureza é perfeita e cada pessoa é única. E os problemas?! Com saúde, força e fé, resolvemos!
Obrigada!!!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Uma fase que não deixará saudades!

Boa noite!
E como está boa!!! Boa demaaaais, sabe por quê!? Porque é a noite de despedida.
Despedida de uma fase muito difícil, um ciclo que está prestes a se fechar. Como todos os outros deixará lembranças!
Lembranças de tempos difíceis, momentos de angustia, desespero! Acredito que em breve lembrarei-me de poucos detalhes, como todos os outros momentos de tristeza que minha memória fez questão de apagar.
Esses momentos devem sim ser apagados da memória, mas os ensinamentos que adquiri, não! E posso até dizer que no final, o saldo até que foi positivo!!! O aprendizado foi inúmeras vezes maior do que a dor. Não só a dor física, por que depois que tiram a agulha, já esquecemos a dor da picada. Falo da dor de lidar com a doença. O CÂNCER!
Nossa, quando me falaram pela primeira vez, me veio à cabeça a C.D. chorando na cena de uma novela das 8 tendo seu cabelo raspado e uma triste música de fundo!
Mas não tive nada disso!!! O cabelo continua na cabeça, a trilha sonora foi das mais motivantes, só emagreci agora no final devido à operação, continuei viajando, trabalhando, estudando, não deixei de me arrumar, fiz muitos planos e o melhor, dei muitaaaaa risada ao longo desses 07 meses!!!
“Está chegando a hora! O dia já vem raiando meu bem e eu tenho que ir embora....ai ai ai ai....!!!”
Eu não...A bolsinha!!! Está com as horas contadas....09 para ser mais precisa!
A cirurgia de reversão estava marcada para terça-feira passada, 02 de agosto, e me ligaram para desmarcar no dia 01 às 18:00.
Eu já estava de jejum com as malas prontas, quando surgiu um paciente com um caso gravíssimo e o médico teve que desmarcar a minha!
Na hora eu fiquei furiosa, é essa a palavra que melhor define o momento! Chorei de raiva e senti vontade de quebrar alguma coisa...um vaso talvez! Rsrsrsrs mas isso logo passou.
Passou tanto que naquela noite eu me desculpei com o Papai do Céu pelo meu egoísmo e rezei bastante pelo paciente que estava entre a vida e a morte! Rezei do fundo do meu coração e pedi para ocorresse tudo bem.
No dia seguinte, voltei para o trabalho e fui para a faculdade! As aulas começaram e eu estou no novo semestre...passei de todas matérias J
Fiquei muito feliz por ter conseguido isso, fiquei orgulhosa de mim mesma, devido às diversas aulas que perdi por passar mal durante o tratamento e por causa da cirurgia.
Como Deus nunca faz as coisas em vão, foi bom também por eu ter conseguido conversar com todos os professores e justificar a minha ausência nas próximas semanas! Acredito que em 15 dias eu esteja “de volta”!!!
Melhor ainda foi um casamento que eu fui no sábado! Nossa que delícia de festa com pessoas sensacionais... ADOREI! Me diverti muito e fiquei muito feliz pelos noivos...era notável a felicidade deles! Que vocês mantenham essa alegria na vida a dois!
Ou seja, no final das contas a mudança da data da operação foi excelente, consegui resolver algumas pendências importantes e pude participar de uma festa tão maravilhosa! Todo meu nervosismo da segunda-feira passada foi em vão!
Mas o importante é: amanhã vou tirar a bolsinha!!!
Nem imagino mais como é tomar banho sem ela, me vestir sem ela, dormir sem ela...aliás, dormir!!! Pois hoje eu não consigo dormir direito...rolo para lá, rolo para cá e acordo! Tenho medo de virar de bruço e me machucar aí acordo o tempo todo.
Estou com a malinha pronta, o cobertorzinho roxo, um livro, revistas, o leãozinho, a Sta. Rita de Cássia, meus anjinhos e o quadro que eu ganhei do escritório! Ahhh...vou levar também o laptop, afinal, quero escrever aqui todos os dias.
A previsão de internação é de 05 dias, ou seja, sábado. Eu espero sair antes, lógico! Mas ficarei o tempo que for preciso para voltar bem.
Agora não consigo mais escrever...estou ansiosa e preciso deitar! Quer dizer, rezar e deitar!
Estou cansada de tanto pensar e estou morrendo de fome por causa do jejum...rsrsrs!!! Se eu não for dormir logo, vou ficar pensando em um temaki de salmão, ou em um x-salada...ai ai ai, dessa vez meu pai já deixou bem claro: nada de comidas da lanchonete!!! A dieta será muito mais rigorosa e só de pensar já tenho vontade de sair correndo até a padaria! Rs....!
Bom, agora acho que meu próximo post será com um peso a menos nas costas...e na barriga! A etapa mais difícil se encerrará e então, com mais um mês, eu terei forças para começar a quimio.
Calma...uma coisa de cada vez! Agora é só alegria!!! Vou chegar amanhã e dizer: VAAAAI, FURA LOGO ESSE MEU BRAÇO E ME DA UMA ANESTESIA! VAMOS TIRAR ESSA ILEOSTOMIA E VOLTAR AO QUE ERA ANTES!
É isso!!! Só peço para que o Papai do Céu e todos meus anjinhos lá de cima estejam comigo na sala de cirurgia e iluminem as mãos do médico!
Daqui para frente, bolsas só na minha mão carregando os meus pertences, de preferência, combinando com os sapatos! rsrsrsrsrs!!!!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Uma idéia brilhante!

Nos meus últimos dias no hospital tive que aprender a lidar com a minha ileostomia e confesso que foi muito difícil.
Já em casa eu sentia muita dor na barriga e ao sentar, pois como a operação foi no reto baixo, os sintomas eram parecidos com os de uma operação de hemorróidas. Ai!
Cada banho e todas as vezes que eu tinha que manusear a bolsinha eram momentos que me tiravam a paciência e me faziam chorar, mas eu sempre tentava lembrar que era menos um dia até a reversão.
Fiquei exatamente um mês em casa assistindo TV, tomando sopa, caminhando pelo jardim, tentando dormir quando a dor dava trégua e cuidando da minha ostomia, o que já ocupava boa parte dos meus dias.
No meio desse tédio, o meu namorado me deu uma idéia: por que você não começa a escrever um Blog para contar tudo o que passou e está passando!?
Quase todas as pessoas que fazem parte da minha vida ou conhecem a minha história já me incentivaram a escrever um livro e ele mais do que ninguém conhece todos os detalhes dessa jornada.
Então, pela primeira vez eu me animei e tive vontade de escrever sobre tudo isso.
Entrei em casa, abri o laptop e escrevi no GOOGLE: Como fazer um blog. Rsrsrs...foi assim mesmo! Eu não sei quase nada de computador por isso fui seguindo as instruções passo a passo.
Cliquei no primeiro link que apareceu! Para prosseguir precisava de um endereço de e-mail e um nome para o Blog. O e-mail eu já tinha, mas o nome...sei lá! Precisava de pelo menos um dia para pensar.
Mas eu não ia conseguir deixar para o dia seguinte! Sou muito ansiosa e precisava ver logo como ia ficar. Pensei, pensei, pensei...não muito também! Uns 15 minutos.
Não queria um nome falando sobre o câncer, por exemplo: Minha luta contra o câncer! Não porque eu tenho muitas outras coisas para falar aqui e essa é só uma delas.
Tive um estalo!
Veio-me à cabeça uma foto nossa que ele colocou no Facebook logo quando eu descobri da doença, e a legenda dizia: FORÇA E FÉ!
Pronto! Estava lá o nome do meu novo projeto....MULHER DE FORÇA E FÉ!
Se era assim que ele me via, queria que todos me vissem também.
Sabe, um dos maiores projetos da vida da minha mãe começou em uma conversa na piscina da casa de praia do meu avô, com o meu pai! E comigo foi igual...incentivada pelo amor da minha vida!
Sei que criei o Blog da noite par o dia, literalmente, e comecei a escrever! Posso dizer que passei todos os outros dias daquele um mês de repouso, atualizando de hora em hora o site para ver o número de acessos aumentarem.
E graças ao incentivo dele eu descobri o melhor meio de me ajudar, ajudando os outros! E estou ADORANDO!
Aliás, a minha maior felicidade desde que comecei a escrever aqui, foi ler o comentário do último post deixado pela Jéssica, que eu não sei quem é, mas ela contou que após conhecer a minha história foi ao médico e pediu para fazer uma colonoscopia. No exame localizaram um pólipo no intestino dela. Isso não quer dizer que era alguma coisa preocupante, mas se eu tivesse descoberto nessa fase...
Graças a Deus ela já retirou e compartilhou sua história comigo.
Jéssica, você me fez a pessoa mais feliz do mundo ao ver que tudo o que eu passei não foi em vão! Eu sei que a minha vida mudou completamente, mas saber que pude ajudar outra pessoa me faz achar mais sentido para tudo.
Espero que seja apenas a primeira de muitas outras pessoas que eu ainda ajudarei, não só em relação à doença, mas também a descobrirem que apesar dos problemas e das dificuldades, quando tudo parece obscuro e sem saída, só há uma solução: A NOSSA PRÓPRIA VONTADE!
Ela é capaz de mover montanhas e é composta por dois elementos essenciais a superação do indivíduo: FORÇA E FÉ!
Foi a minha vontade de viver que me fez encarar tudo isso sem medo, sem raiva, sem revolta! Mesmo nos dias de sofrimento e dor, eu mesma me levantava e sabia que por mais que a situação estivesse complicada, a minha sede da VIDA era maior, e sempre será enquanto eu viver!