domingo, 28 de agosto de 2011

Promessa cumprida!

Passei aqui para dizer apenas uma coisa >>> acabei de cumprir a minha promessa!!!
Rolei no tapete! E ainda tive parceiros: meu pai e meu irmão!
Obrigada por fazerem parte desse momento de vitória e liberdade J

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Enfim, um cocô de verdade!


Nossa que saudades de escrever aqui!

Acho que minha euforia está tão grande, que desde que saí do hospital não quero parar nem um minuto para pensar! Outro dia me perguntaram se eu acho que posso abraçar o mundo com os meus braços. Ué, eu posso sim!

Tudo o que eu quero, eu posso! Voltei com “a bola toda” e agora, ninguém me segura! Rs!

Semana passada fiquei em casa me recuperando da cirurgia, à base de sopinhas, sucos, gelatina, novelas, filmes, internet, livros, cabeleireiro e até uma voltinha no shopping.

[Fui ao cabeleireiro cortar e clarear o cabelo, aí na hora que a cabeleireira tirou o plástico que estava cobrindo a tinta, saiu fumaça e ela começou a gritar: MEU DEUS, ISSO NUNCA ACONTECEU! EU NÃO ACREDITO...EM TANTOS ANOS NUUUUNCA ACONTECEU ISSO! E eu, mantendo a calma, disse para ela: Aaaaa, fica tranqüila! Essas coisas só acontecem comigo! Hahaha acho que ela não entendeu nada....até lá eu tenho que ouvir isso!?]

Mais uma vez eu comprovei o quanto sou forte! Meu pai sempre diz que o Papai do Céu fez o projeto e jogou fora. Ninguém nunca conseguirá fazer algo tão perfeito quanto Ele fez...NÓS! Eu, você, eles...todos nós!

Em tão pouco tempo eu consegui me recuperar e, acreditem, não tomei remédio para dor NENHUM dia desde cheguei em casa. O medico prescreveu lisador a cada 8hras, e eu não precisei tomar nenhuma vez! Incrível!

Além de o nosso corpo ser uma máquina perfeita, acho que a força de vontade também influencia muito em qualquer processo de recuperação. Por isso que eu vou abraçar o mundo!!! Se eu quero e minha cabeça acredita que eu irei conseguir, então EU VOU!

Se na época da quimio e radio eu tivesse saído do estagio e trancado a faculdade, como muitas pessoas que se preocupam comigo queriam, acho que eu teria pirado!

Por exemplo, sexta-feira passada, há uma semana, eu ainda estava “de molho” em casa e não agüentava mais tomar sopa! Então liguei para o médico e perguntei se eu poderia comer um purezinho, mas ele não deixou. 

Quando me perguntou como eu estava e comecei a contar que não sentia dores e estava indo ao banheiro normalmente, ele não acreditou.

Aliás, sobre isso, me falaram que demoraria pelos menos uns 03 meses para normalizar, mas em 02 semanas, está tudo quase 100%! E posso dizer uma coisa!? Nunca imaginei que fazer cocô poderia me deixar tão feliz!!!!

Hahahahaha acho que pouquíssimas pessoas escreveriam isso em um blog, mas como muitos vêem acompanhando a minha história, me sinto na obrigação de contar todas as minhas vitórias, e essa, é a maior delas! Afinal, uma necessidade tão importante era um problema na minha vida há mais de um ano, e tudo o que passei, foi para sentar um dia na privada e ter o prazer de fazer um cocozinho bonitinho, sem dor, sem sangue, sem bolsinha...sem tumor! E como sempre, com muito senso de humor.

E eu vim aqui para dizer que...EU CONSEGUI!!!

Bom, como tudo está indo muito bem, segunda-feira passei por uma consulta médica e fui autorizada a começar a comer comidinhas! Tudo no “inho” para mim: macarrãozinho, arrozinho, purezinho, escondidinho, franguinho, ovinho mexidinho, peixinho, frutinhas, pudinzinho,....rs!

Mas como a minha fome não está nem um pouquinho pequenininha, nesse meio tempo já comi bolinho de bacalhau, tapioca, pastel, pamonha, e outras coisas que não terminam com “inho”!!!

Voltei no mesmo dia para a faculdade...estava com saudades!!! Nada como colocar a cabeça para pensar. Infelizmente, eu queria ter voltado para o trabalho na quarta-feira, mas terça não passei muito bem, acho que por causa das comidiiiinhas, então tive que adiar para a próxima semana. Ainda preciso aprender o que eu posso e o que eu não posso comer.

E como todos disseram melhor voltar 100%, do que ir e passar mal! Então aquietei o bumbum na cadeira e me dediquei aos estudos.

Hoje vou viajar com a melhor companhia do mundo, meu amado namorado, para um dos meus destinos favoritos! A última vez que estive lá foi com a bolsinha, mas dessa vez, irei sem doença, sem bolsinha, sem tristeza, sem nada de ruim e com tudo de bom!!!

Voltaremos no domingo cedinho, pois tenho um compromisso agendado!

O meu maior desejo que ainda não pude realizar por cuidado à minha cicatriz. Todos aqui já sabem o que é!
Rolar no tapete da sala!!!

Vou descansar no final de semana, recuperar as energias, rolar no tapete e segunda-feira, 29 de agosto de 2011, começarei uma nova etapa da minha vida.

VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ...!!!

domingo, 14 de agosto de 2011

Finalmente, a linha de chegada!!!

Não sei por onde começar!
Eu disse que escreveria do hospital, mas com aquelas agulhas no braço direito, o esquerdo não agüentaria tanto trabalho...rs! Tenho muita coisa para falar e estou tão eufórica que seguirei o caminho lógico: começarei do começo!
Terça feira, 09 de agosto de 2011. Acordei, coloquei as últimas coisas na mala, fechei o computador e fomos para o hospital, eu, meu pai e a mulher dele.
Chegando lá, após a burocracia necessária para a internação, fomos para o quarto. Era no mesmo corredor da cirurgia anterior, ou seja, as enfermeiras já me conheciam e sabiam do meu caso. Se não fosse essa situação, poderia até dizer que “estava me sentindo em casa”.
Arrumamos as coisas, conversamos com o anestesista e enfermeiros. Não tinha muito que falar, eu já sabia do procedimento e queria resolver aquilo o mais rápido possível.
Pouco antes da hora H, chegaram no quarto o meu namorado e a minha sogra! Como sempre demonstrando o carinho e preocupação que têm comigo. Logo após já tive que colocar o avental, a touca e deitar na cama.
Achei que não faria, mas acabei fazendo um pouco de drama na hora da injeção no bumbum. Será que alguém nesse mundo já se acostumou com isso!? Afff...doeu.
Todos se despediram de mim e sem conseguir conter as lágrimas, fui levada até a sala de cirurgia. Lá só me lembro de uma coisa: o anestesista furando 3 vezes o meu braço para pegar uma veia, dá para acreditar!? Já estava com um pré-anestésico, não conseguia nem me movimentar e ele não pegou de primeira. Será um carma!? Ai ai ai....sai pra lá!
Tenho quase certeza que reclamei e escorri mais lágrimas...isso sempre acontece! Falam que quando estamos sob o efeito da anestesia falamos coisas inusitadas. Quer saber!? Tomara que eu tenha desabafado minha raiva sobre esse assunto.
Durou apenas 2 horas!
Acordei na sala de recuperação e dessa vez, não tinha nenhuma dúvida, não tinha o que questionar! A bolsinha não estava mais lá J Era só barriguinha, lisinha, lisinha, lisinha!!!
Mas antes de qualquer emoção, veio a dor, e que dor. Comecei a gritar e eles me deram um remédio que eu apaguei. Mesmo depois de chegar no quarto, não lembro de quase nada por causa do efeito dos medicamentos.
No dia seguinte acordei ainda indisposta e passei praticamente o dia inteiro deitada recebendo visitas.
Na quinta-feira, acordei muito melhor!!! Com uma fome de leão e sem dor. Já conseguia tomar banho sozinha e estava me recuperando com uma velocidade incrível! Andei bastante pelos corredores do hospital, comi gelatina e tomei o tal do “caldo ralo”, ou seja, a fome só aumentou.
Naquela noite não consegui dormir. Estava me sentindo bem melhor, passei o dia inteiro sem nenhum remédio, sem dor, sem enjôo e só queria ir para a minha casa.
Fiquei deitada na cama, com o braço direito imóvel por causa da agulha que estava ligada somente no soro, virando de um lado para o outro sem parar. Acho que se eu ficasse mais algumas horas lá, teria cavado um buraco no colchão.
Me mexi tanto que meu pai acabou acordando e ao ver meu desespero e impaciência, desistiu de dormir e acabou ligando a televisão.
Quando o sol finalmente nasceu e as enfermeiras voltaram a abrir e fecha a porta sem parar eu resolvi levantar. Conversamos um pouco e fui tomar banho para passar o tempo.
Era dia 12 de agosto, aniversário do meu namorado! Ele como todos os dias em que fiquei no hospital, passaria na hora do almoço para me visitar. Sabendo disso, com a ajuda do meu pai, tratei logo de providenciar um bolo e uma velinha para cantarmos parabéns!
Tudo planejado quando de repente a porta abriu e era ele, o meu médico! Estranhei a hora da visita, pois outro da equipe já havia passado anteriormente, mas ele foi para levar boas notícias!
Me fez algumas perguntas, recomendou que eu andasse bastante e não ingerisse qualquer coisa que não fosse líquido e quando já estava de saída, eu o indaguei: Dr., o Sr. tem alguma previsão de saída para mim!?
E lá estava a melhor notícia que eu poderia receber: Sim, Bruna, agora! Estou indo fazer a sua alta!
O QUEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!?
Em questão de milésimos de segundos ganhei um sorriso daqueles “de testa a testa”! Olhei para o meu pai e ele não estava diferente. Que alegria!!!
A previsão era no mínimo de mais um dia no hospital, mas devido a minha boa e rápida recuperação, não havia mais motivos para permanecer lá.
Rapidamente arrumamos as nossas coisas e sentamos! Um olhou para a cara do outro com ar de alívio, missão cumprida.
Como esse procedimento costuma demorar, resolvi caminhar pelos corredores para liberar a adrenalina e acabei liberando a emoção.
Não conseguia acreditar que tudo tinha chegado ao fim. Sei que ainda tenho 6 meses de quimioterapia, mas será apenas uma gota comparado a enchente que estava acabando. Não, não. Não estava acabando, acabou. A-C-A-B-O-U!!!
Dessa vez eu ia embora para não voltar. Não tem outra cirurgia, outra anestesia, outra internação, outras noites sem dormir. Não precisarei mais voltar naquele hospital onde quase todos já me conheciam.
Estava indo embora para me recuperar e ser FELIZ! Sem limites, sem privações! Não era a mesma felicidade da primeira vez, que eu saí sem o tumor, mas com a bolsinha.
Dessa vez, eu estava saindo sem NADA! Aliás, COM TUDO!!!
Com toda a alegria do mundo, com toda a vontade de viver, com toda a SAÚDE QUE EU SEMPRE TIVE!!! Sem doença, sem bolsinha, SEM NADA DE RUIM E COM TUDO DE BOM!
EU E A MINHA SAÚDE! EU E A MINHA VIDA! EU E TODA A FELICIDADE DO MUNDO QUE ESTAVA DENTRO DE MIM E PARECIA QUE IA EXPLODIR SE ENCONTRASSE UMA FAÍSCA!
PRECISAVA GRITAAAAAAR, MAS NÃO PODIA! Então desabei a chorar...lágrimas de felicidade!
Quanta emoção, não estava acreditando!
Despedi-me dos enfermeiros incríveis que me ajudaram tanto naqueles dias internada e saí do hospital rumo à minha casa que parecia mais aconchegante do que nunca!!!
Logo que cheguei subi para o meu quarto larguei as minhas coisas, fechei a porta e tive um dos momentos mais especiais da minha vida.
Ajoelhei-me em frente ao meu criado mudo, onde ficam todos meus amuletos: santinhos, vela, anjinhos, terços, imagens, e tudo o que tenho direito, e comecei a agradecer. Agradeci e somente agradeci. Após tantos pedidos, agora era hora de agradecer.
 Chorei muito. Chorei tudo o que eu queria chorar e levantei de lá com no mínimo uns 100 kgs a menos nas costas!!!
Tomei um banho, quer dizer, o meu primeiro banho em casa sem a bolsinha! Era tudo o que eu mais queria fazer, já que ainda não posso rolar no tapete...rs!
Chorei novamente! Meu Deus, que emoção!!! Só quem já teve, sabe o que é um banho com a ostomia.
Troquei-me e fui andar na rua! Fui até uma praçinha próxima da minha casa para encerrar com chave de ouro o MEU momento mais especial da vida!
Estava um dia maravilhoso, o sol radiante sem nenhuma nuvem no céu! Assim como eu, radiante de emoção e alegria sem nada para atrapalhar.
Advinhem o que eu fiz!? Chorei! Chorei e orei.
Não dá para explicar, é muita emoção!
Sempre ouvimos depoimentos de pessoas que passaram por situações de risco ficarando "à beira da morte" e por um milagre acabaram resistindo, dizerem que nasceram de novo e que é uma sensação inesquecível.
Posso estar errada, mas eles passam por instantes de agonia e desespero, acreditam por alguns minutos que não resistirão.
O que eu passei foi completamente diferente.
Foram 8 meses de aflição. Perguntaram-me uma vez, se em algum momento passou pela minha cabeça a possibilidade de não sobreviver e a minha resposta foi imediata: NÃO! Desde o dia que eu vi aquelas fotos da colonoscopia e recebi a noticia que estava com um câncer maligno, eu nunca, NUNCA, duvidei da minha cura. Nunca duvidei da minha VIDA!
É lógico que mesmo tendo a certeza absoluta de que no final tudo daria certo, eu convivi essas 30 semanas com o sorriso no rosto, mas uma tristeza interna. Por mais que por fora parecesse estar tudo tranqüilo, por dentro estava nublado, aguardando uma nova tempestade.
Posso dizer que eu renasci!
Não dizem que quando a vida nos dá um limão, devemos fazer uma limonada!? Eu fiz melhor! Fiz uma caipirinha beeeem gelada e tomei à beira do mar com a água mais cristalina, dando muita risada!!!
Aprendi muito! Não há livros de auto-ajuda, bibliografias, filmes, sessões de terapia, grupos de ajuda, viagens, ou qualquer outra fonte de renovação que chegue aos pés do que eu pude ter.
Mas vocês devem estar pensando: Nossa, tudo bem que ela aprendeu muito, mas pensar que o câncer foi uma coisa boa, já é um pouco de exagero!
Aí eu respondo: Não é não!!! São com os erros que nós aprendemos, com as perdas que damos valor e eu tive, com apenas 20 anos, a maior lição que uma pessoa pode ter.
Geralmente isso acontece aos 60, 70, 80, 90 anos quando ainda temos muito o que viver mas talvez não seja o suficiente para reparar alguns danos. Voltar atrás e mudar, é impossível.
Eu tive com 20 para poder mudar daqui para frente! E seria uma idiota se achasse que Deus me deu um castigo.
Ele me ama tanto que me deu um problema, me ajudou a enfrentá-lo, me curou e no dia 12 de agosto de 2011, me apresentou ao mundo novamente. Um mundo onde todas as coisas têm importância, a natureza é perfeita e cada pessoa é única. E os problemas?! Com saúde, força e fé, resolvemos!
Obrigada!!!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Uma fase que não deixará saudades!

Boa noite!
E como está boa!!! Boa demaaaais, sabe por quê!? Porque é a noite de despedida.
Despedida de uma fase muito difícil, um ciclo que está prestes a se fechar. Como todos os outros deixará lembranças!
Lembranças de tempos difíceis, momentos de angustia, desespero! Acredito que em breve lembrarei-me de poucos detalhes, como todos os outros momentos de tristeza que minha memória fez questão de apagar.
Esses momentos devem sim ser apagados da memória, mas os ensinamentos que adquiri, não! E posso até dizer que no final, o saldo até que foi positivo!!! O aprendizado foi inúmeras vezes maior do que a dor. Não só a dor física, por que depois que tiram a agulha, já esquecemos a dor da picada. Falo da dor de lidar com a doença. O CÂNCER!
Nossa, quando me falaram pela primeira vez, me veio à cabeça a C.D. chorando na cena de uma novela das 8 tendo seu cabelo raspado e uma triste música de fundo!
Mas não tive nada disso!!! O cabelo continua na cabeça, a trilha sonora foi das mais motivantes, só emagreci agora no final devido à operação, continuei viajando, trabalhando, estudando, não deixei de me arrumar, fiz muitos planos e o melhor, dei muitaaaaa risada ao longo desses 07 meses!!!
“Está chegando a hora! O dia já vem raiando meu bem e eu tenho que ir embora....ai ai ai ai....!!!”
Eu não...A bolsinha!!! Está com as horas contadas....09 para ser mais precisa!
A cirurgia de reversão estava marcada para terça-feira passada, 02 de agosto, e me ligaram para desmarcar no dia 01 às 18:00.
Eu já estava de jejum com as malas prontas, quando surgiu um paciente com um caso gravíssimo e o médico teve que desmarcar a minha!
Na hora eu fiquei furiosa, é essa a palavra que melhor define o momento! Chorei de raiva e senti vontade de quebrar alguma coisa...um vaso talvez! Rsrsrsrs mas isso logo passou.
Passou tanto que naquela noite eu me desculpei com o Papai do Céu pelo meu egoísmo e rezei bastante pelo paciente que estava entre a vida e a morte! Rezei do fundo do meu coração e pedi para ocorresse tudo bem.
No dia seguinte, voltei para o trabalho e fui para a faculdade! As aulas começaram e eu estou no novo semestre...passei de todas matérias J
Fiquei muito feliz por ter conseguido isso, fiquei orgulhosa de mim mesma, devido às diversas aulas que perdi por passar mal durante o tratamento e por causa da cirurgia.
Como Deus nunca faz as coisas em vão, foi bom também por eu ter conseguido conversar com todos os professores e justificar a minha ausência nas próximas semanas! Acredito que em 15 dias eu esteja “de volta”!!!
Melhor ainda foi um casamento que eu fui no sábado! Nossa que delícia de festa com pessoas sensacionais... ADOREI! Me diverti muito e fiquei muito feliz pelos noivos...era notável a felicidade deles! Que vocês mantenham essa alegria na vida a dois!
Ou seja, no final das contas a mudança da data da operação foi excelente, consegui resolver algumas pendências importantes e pude participar de uma festa tão maravilhosa! Todo meu nervosismo da segunda-feira passada foi em vão!
Mas o importante é: amanhã vou tirar a bolsinha!!!
Nem imagino mais como é tomar banho sem ela, me vestir sem ela, dormir sem ela...aliás, dormir!!! Pois hoje eu não consigo dormir direito...rolo para lá, rolo para cá e acordo! Tenho medo de virar de bruço e me machucar aí acordo o tempo todo.
Estou com a malinha pronta, o cobertorzinho roxo, um livro, revistas, o leãozinho, a Sta. Rita de Cássia, meus anjinhos e o quadro que eu ganhei do escritório! Ahhh...vou levar também o laptop, afinal, quero escrever aqui todos os dias.
A previsão de internação é de 05 dias, ou seja, sábado. Eu espero sair antes, lógico! Mas ficarei o tempo que for preciso para voltar bem.
Agora não consigo mais escrever...estou ansiosa e preciso deitar! Quer dizer, rezar e deitar!
Estou cansada de tanto pensar e estou morrendo de fome por causa do jejum...rsrsrs!!! Se eu não for dormir logo, vou ficar pensando em um temaki de salmão, ou em um x-salada...ai ai ai, dessa vez meu pai já deixou bem claro: nada de comidas da lanchonete!!! A dieta será muito mais rigorosa e só de pensar já tenho vontade de sair correndo até a padaria! Rs....!
Bom, agora acho que meu próximo post será com um peso a menos nas costas...e na barriga! A etapa mais difícil se encerrará e então, com mais um mês, eu terei forças para começar a quimio.
Calma...uma coisa de cada vez! Agora é só alegria!!! Vou chegar amanhã e dizer: VAAAAI, FURA LOGO ESSE MEU BRAÇO E ME DA UMA ANESTESIA! VAMOS TIRAR ESSA ILEOSTOMIA E VOLTAR AO QUE ERA ANTES!
É isso!!! Só peço para que o Papai do Céu e todos meus anjinhos lá de cima estejam comigo na sala de cirurgia e iluminem as mãos do médico!
Daqui para frente, bolsas só na minha mão carregando os meus pertences, de preferência, combinando com os sapatos! rsrsrsrsrs!!!!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Uma idéia brilhante!

Nos meus últimos dias no hospital tive que aprender a lidar com a minha ileostomia e confesso que foi muito difícil.
Já em casa eu sentia muita dor na barriga e ao sentar, pois como a operação foi no reto baixo, os sintomas eram parecidos com os de uma operação de hemorróidas. Ai!
Cada banho e todas as vezes que eu tinha que manusear a bolsinha eram momentos que me tiravam a paciência e me faziam chorar, mas eu sempre tentava lembrar que era menos um dia até a reversão.
Fiquei exatamente um mês em casa assistindo TV, tomando sopa, caminhando pelo jardim, tentando dormir quando a dor dava trégua e cuidando da minha ostomia, o que já ocupava boa parte dos meus dias.
No meio desse tédio, o meu namorado me deu uma idéia: por que você não começa a escrever um Blog para contar tudo o que passou e está passando!?
Quase todas as pessoas que fazem parte da minha vida ou conhecem a minha história já me incentivaram a escrever um livro e ele mais do que ninguém conhece todos os detalhes dessa jornada.
Então, pela primeira vez eu me animei e tive vontade de escrever sobre tudo isso.
Entrei em casa, abri o laptop e escrevi no GOOGLE: Como fazer um blog. Rsrsrs...foi assim mesmo! Eu não sei quase nada de computador por isso fui seguindo as instruções passo a passo.
Cliquei no primeiro link que apareceu! Para prosseguir precisava de um endereço de e-mail e um nome para o Blog. O e-mail eu já tinha, mas o nome...sei lá! Precisava de pelo menos um dia para pensar.
Mas eu não ia conseguir deixar para o dia seguinte! Sou muito ansiosa e precisava ver logo como ia ficar. Pensei, pensei, pensei...não muito também! Uns 15 minutos.
Não queria um nome falando sobre o câncer, por exemplo: Minha luta contra o câncer! Não porque eu tenho muitas outras coisas para falar aqui e essa é só uma delas.
Tive um estalo!
Veio-me à cabeça uma foto nossa que ele colocou no Facebook logo quando eu descobri da doença, e a legenda dizia: FORÇA E FÉ!
Pronto! Estava lá o nome do meu novo projeto....MULHER DE FORÇA E FÉ!
Se era assim que ele me via, queria que todos me vissem também.
Sabe, um dos maiores projetos da vida da minha mãe começou em uma conversa na piscina da casa de praia do meu avô, com o meu pai! E comigo foi igual...incentivada pelo amor da minha vida!
Sei que criei o Blog da noite par o dia, literalmente, e comecei a escrever! Posso dizer que passei todos os outros dias daquele um mês de repouso, atualizando de hora em hora o site para ver o número de acessos aumentarem.
E graças ao incentivo dele eu descobri o melhor meio de me ajudar, ajudando os outros! E estou ADORANDO!
Aliás, a minha maior felicidade desde que comecei a escrever aqui, foi ler o comentário do último post deixado pela Jéssica, que eu não sei quem é, mas ela contou que após conhecer a minha história foi ao médico e pediu para fazer uma colonoscopia. No exame localizaram um pólipo no intestino dela. Isso não quer dizer que era alguma coisa preocupante, mas se eu tivesse descoberto nessa fase...
Graças a Deus ela já retirou e compartilhou sua história comigo.
Jéssica, você me fez a pessoa mais feliz do mundo ao ver que tudo o que eu passei não foi em vão! Eu sei que a minha vida mudou completamente, mas saber que pude ajudar outra pessoa me faz achar mais sentido para tudo.
Espero que seja apenas a primeira de muitas outras pessoas que eu ainda ajudarei, não só em relação à doença, mas também a descobrirem que apesar dos problemas e das dificuldades, quando tudo parece obscuro e sem saída, só há uma solução: A NOSSA PRÓPRIA VONTADE!
Ela é capaz de mover montanhas e é composta por dois elementos essenciais a superação do indivíduo: FORÇA E FÉ!
Foi a minha vontade de viver que me fez encarar tudo isso sem medo, sem raiva, sem revolta! Mesmo nos dias de sofrimento e dor, eu mesma me levantava e sabia que por mais que a situação estivesse complicada, a minha sede da VIDA era maior, e sempre será enquanto eu viver!