terça-feira, 28 de agosto de 2012

Até onde "superar" significa seguir em frente???

Bom dia!!!

Que saudades daqui!!! Durante esse tempo longe da minha paixão que é escrever no BLOG, muitas coisas aconteceram...coisas boas, coisas ótimas.

Retirei, finalmente, o cateter e o melhor de tudo foi voltar à clínica – que é a mesma onde fiz a quimioterapia – e, enquanto aguardava pelo médico, olhei para a mesinha no centro da sala de espera e não contive a emoção! Durante o tratamento, como eu ia lá diariamente para as agulhadas insuportáveis, sabia de cor e salteado todas as revistas e livros disponíveis para “entreter” os pacientes. E é lógico que eu já tinha, ao menos, folheado, todos eles.

Naquele dia foi diferente! Logo que cheguei não deixei de reparar que havia coisa nova...”Nossa, os livros mudaram? Rs...acho que faz tempo que eu não venho aqui!” E por menor que isso pareça para quem está lendo, senti uma alegria enorme e comecei a rir! É...a minha “vez” tinha passado....UFA!!! Já não era mais parte do meu cotidiano.

Algumas semanas depois lá estava eu...no aeroporto internacional de São Paulo rumo a uma das viagens mais incríveis da minha vida! Um mês de diversão, preocupação ZERO, e lugares inesquecíveis!!! Um  mochilão, uma amiga do peito, muita risada e apenas alguns vestígios de uma doença do passado que perto de tudo o que vivemos lá...ahhh, nem teve importância!

Momentos maravilhosos que ficarão gravados para sempre na minha memória!

E é sobre isso que eu queria falar...a minha memória e o poder que eu tenho sobre ela.

Cheguei de viagem completamente realizada e pronta para voltar a realidade, mas esses últimos dias me peguei preocupada e sofrendo com fatos tão insignificantes perto de tudo o que passei e aprendi, que até me assustei.

Poxa Bruna, noites sem dormir, feridas na pele e toda essa impaciência....por que mesmo? Esqueceu os reais valores da vida? Vou te passar o blog de uma conhecida que teve verdadeiros motivos para sofrer e superou tudo da melhor forma...entra aí: mulherdeforcaefe.com.br !!! OPA! Acho que eu conheço essa história.

CHACOALHÃO EM MIM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O que isso tem a ver com a minha memória? Vamos lá!

Desde pequena, depois que perdi a minha mãe, acredito que acabei desenvolvendo uma proteção contra os acontecimentos tristes da minha vida: DELETÁ-LOS DA MEMÓRIA!

Simplesmente assim...me faz mal? Eu APAGO!

Parecia a solução ideal até eu crescer e perceber que a minha história começa lá pelos 16 anos! Sim...antes disso não lembro de quase nada. Aniversários, festas, amigos, viagens,...o que foi registrado em fotos eu tenho guardado em uma caixa. O que não foi, ficou lá no passado, como o vento forte que passa e modifica o que foi desenhado na areia. Não recupera nunca mais.

Sinto falta das lembranças boas! Saber que desenho eu assistia, como era a minha boneca favorita, qual a brincadeira nos intervalos da escola, as primeiras festinhas...NADA!

Tudo bem que não se pode ter tudo nessa vida, mas precisava ser tão radical?

Simplesmente trancar a história da sua própria vida em um baú com 21 chaves e enterrá-lo no quintal de casa é arriscado, pois um dia pode surgir a curiosidade de descobrir o que há ali.

E ver todas as fotos daquela época mexeu comigo. Emoções boas e ruins, lembranças boas e ruins. Melhor guardar tudo de novo e deixar onde estava, né?! Não sei.

Por isso que eu pensei bastante e decidi que quero fazer terapia novamente. Tem quem seja a favor e quem seja contra...mas ajuda nunca é demais! Até por que, meu namorado sempre faz questão de me lembrar de que eu não sou a “Mulher Maravilha!” Ok...eu já ouvi isso 200 vezes.

Mas o que eu realmente quero, não é nem revirar o baú do passado e sim, não permitir que o meu sofrimento dos últimos meses caiam no esquecimento e eu volte a ser a Bruna de antes. Isso não! Esse aprendizado não pode ficar guardado e muito menos esquecido por nem um segundinho dessa minha vida.

Até porque, as pessoas que estavam ao meu redor e vivenciaram tudo comigo, levaram aprendizados da minha luta. Mas eu...eu vivi tudo, literalmente, na pele e não quero que os irrelevantes fatos do dia a dia pareçam o pior problema do mundo...até porque eu já provei desse sabor e sei que é muito mais amargo do que o doce de um problema aparentemente “difícil!”

Ou seja...BRUNA, DÁ UMA LIDA NESSES POSTS AÍ DE BAIXO E PARA DE RECLAMAR VAI!

4 comentários:

  1. Saudades de ti guriazinha.....venham me visitar!!!!

    ResponderExcluir
  2. minha nene lindaaaaaaaa.....amo vc...dad.

    ResponderExcluir
  3. Bruna, q feliz eu fiquei por ler uns textos do seu blog! Minha mãe fará reversão de uma ileostomia amanhã e estou apreensiva. Ela tem 71 anos e a situação dela é mais delicada q a sua, pois há muitas metástases. Ela não sabe disso e está muito bem disposta. Temo pelo que pode vir lá na frente, mas vou confiando em Deus. Espero que vc continue bem e seja sempre muito feliz.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  4. Orgulho de ter feito parte de uma minuscula fração de sua vida...
    Orgulho de ver a mulher forte que se tornou, continue assim inspirando vidas...

    F.C.

    ResponderExcluir